Follow by Email

31/08/2010

DEUSA AFRICANA IANSÃ



IANSÃ





Deusa da espada de fogo, Dona das paixões, Iansã é a Rainha dos raios, dos ciclones, furacões, tufões, vendavais. Orixá do fogo, guerreira e poderosa. Mãe dos eguns, guia dos espíritos desencarnados, Senhora dos cemitérios.

Não é muito difícil depararmo-nos com a força da Natureza denominada Iansã (ou Oyá). Convivemos com ela, diariamente.

Iansã é o vento, a brisa que alivia o calor. Iansã é também o calor, a quentura, o abafamento. É o tremular dos panos, das árvores, dos cabelos. É a lava vulcânica destruidora. Ela é o fogo, o incêndio, a devastação pelas chamas.

Oyá é o raio, a beleza deste fenômeno natural. É o seu poder. É a eletricidade. Iansã está presente no ato simples de acendermos uma lâmpada ou uma vela. Ela é o choque elétrico, a energia que gera o funcionamento de rádios, televisões, máquinas e outros aparelhos. Iansã é a energia viva, pulsante, vibrante.

Sentimos Iansã nos ventos fortes, nos deslocamentos dos objetos sem vida. Orixá da provocação e do ciúme.

Iansã também é a paixão. Paixão violenta, que corrói, que cria sentimentos de loucura, que cria desejo de possuir, o desejo sexual. É a volúpia, o clímax, o orgasmo do homem e da mulher. Ela é o desejo incontido, o sentimento mais forte que a razão. A frase “estou apaixonado” tem a presença e a regência de Iansã, que é o Orixá que faz nossos corações baterem com mais força e cria em nossas mentes os sentimentos mais profundos, abusados, ousados e desesperados. É o ciúmes doentio, a inveja suave, o fascínio enlouquecido. É a paixão, propriamente dita.

Iansã é a disputa pelo ser amado. É a falta de medo das conseqüências de um ato impensado, no campo amoroso. É até mesmo a vontade de trair, de amar livremente. Iansã rege o amor forte, violento.

Oyá é também a senhora dos espíritos dos mortos, dos eguns, como se diz no Candomblé. É ela que servirá de guia, ao lado de Obaluaê, para aquele espírito que se desprendeu do corpo. É ela que indicará o caminho a ser percorrido por aquela alma.

Iansã é a deusa dos cemitérios. Ela é a regente, juntamente com Omulu (ou Obaluaê), dos Campos Santos, pois comanda a falange dos eguns. Comanda também a falange dos Boiadeiros, encantados que são cultuados nas casas de Nação de Angola. Ela é sua rainha.

Como deus dos mortos, Iansã carrega consigo o eruxin, feito com rabo de cavalo, para impor respeito aos eguns, bem como a espada flamejante, que faz dela a guerreira do fogo.

É, sem dúvida, o Orixá mais popular e a mais querida no Candomblé.



Mitologia

Embora tenha sido esposa de Xangô, Iansã percorreu vários reinos e conviveu com vários reis. Foi paixão de Ogum, de Oxaguiam, de Exu, Conviveu e seduziu Oxossi, Logun-Edé e tentou, em vão, relacionar-se com Obaluaê. Sobre este assunto, a história conta que Iansã percorreu vários reinos usando sua inteligência, astúcia e sedução para aprender de tudo e conhecer igualmente a tudo.

Em Ire, terra de Ogum, foi a grande paixão do guerreiro. Aprendeu com ele o manuseio da espada e ganho deste o direito de usá-la. No auge da paixão Ogum , Iansã partiu, indo para Oxogbô, terra de Oxaguian. Conviveu e aprendeu o uso do escudo para se proteger de ataques inimigos, recebendo de Oxaguian o direito de usá-lo. Quando Oxaguian estava tomado pe paixão por Oyá, ela partiu.

Pelas estradas deparou-se com Exu. Com ele se relacionou e aprendeu os mistérios do fogo e da magia. No reino de Oxossi, seduziu o deus da caça, mesmo com os avisos de sua mulher, Oxum, que avisara ao marido do perigo dos encantos de Iansã. Todavia, com Oxossi, Oyá aprendeu a caçar, a tirar a pele do búfalo e se transformar naquele animal, com a ajuda da magia aprendida com Exu. Seduziu o jovem Logun-edé , filho de Oxossi e Oxum e com ele aprendeu a pescar.

Iansã partiu, então, para o reino de Obaluaê, pois queria descobrir seus mistérios e até mesmo conhecer seu rosto (conhecido apenas por Nanã – sua mãe – e Iemanjá, mãe de criação). Uma vez chegando ao reino de Obaluaê, Iansã tratou de insinuar-se:

- Como vai o Senhor das Chagas?

No que Obaluaê respondeu:

- O que Oyá quer em meu reino?

- Ser sua amiga, conhecer e aprender, somente isso. E para provar minha amizade, dançarei para você a dança dos ventos!

(Dança que, por sinal, Iansã usou para seduzir reis como Oxossi, Oxaguian e Ogum).

Durante horas Iansã dançou, sem emocionar ou, sequer, atrair a atenção de Obaluaê. Incapaz de seduzir Obaluaê, que jamais se relacionou com ninguém, Iansã então procurou apenas aprender, fosse o que fosse. Assim, dirigiu-se ao homem da palha;

- Obaluaê, com Ogum aprendi a usar a espada; com Oxaguian, o escudo; com Oxossi aprendi a caçar; com logun-edé a pescar; com Exu aprendi os mistérios do fogo. Falta-me apenas aprender algo contigo.

- Você quer aprender mesmo, Oyá? Então, ensinar-lhe como tratar dos mortos!

De inicio Iansã relutou, mas seu desejo de aprender foi mais forte e, com Obaluaê, aprendeu a conviver com os eguns e controlá-los.

Partiu, então Oyá, para o reino de Xangô. Lá, acreditava, teria o mais vaidoso dos reis e aprenderia a viver ricamente. Mas, ao chegar ao reino do deus do trovão, Iansã aprendeu muito mais que isso... aprendeu a amar verdadeiramente e com um paixão violenta, pois Xangô dividiu com ela os poderes do raio e deu a ela o seu coração.



O fogo é o elemento básico de Iansã. O fogo das paixões, o fogo a alegria, o fogo que queima. Iansã é o Orixá do fogo...

E aquele que dão uma conotação de vulgaridade a essa belíssima e importantíssima divindade africana, é digna de pena e mais digna, ainda, do perdão de Iansã.



Dados

Dia: quarta feira

Data: 4 de Dezembro

Metal: Cobre

Cor: vermelho

Parte do corpo que Iansã rege: menina dos olhos e sistema digestivo
Peixe: pintado
Frutas: manga, maçã, pitanga.
Comidas: batata doce frita, opeté (espécie de bolo) de batata doce, doce de batata, acarajé de feijão miúdo.
Guia: sete contas brancas e uma vermelha


Comida: acarajé, acassá

Arquétipo: É de pessoas audaciosas, poderosas e autoritárias, pessoas que podem ser fieis, de uma lealdade absoluta em certas circunstancias, mas que em moutros momentos, quando contrariadas em seus projetos e empreendimentos, deixam-se levar pelas manifestações da mais extrema cólera. Pessoas cujos temperamentos sensual e voluptuosos .Iansã é uma guerreira por vocação, sabe ir à luta e defender o que é seu, a batalha do dia-a-dia é a sua felicidade.

Símbolos: espada de cobre e o eru (rabo de boi ou de búfalo)

NOSSA SENHORA DE FATIMA


História
Três crianças, Lúcia de Jesus dos Santos (de 10 anos), Francisco Marto (de 9 anos) e Jacinta Marto (de 7 anos), afirmaram ter visto Nossa Senhora no dia 13 de Maio de 1917 quando apascentavam um pequeno rebanho na Cova da Iria, freguesia de Aljustrel, pertencente ao concelho de Ourém, Portugal.

Segundo relatos posteriores aos acontecimentos, por volta do meio dia, depois de rezarem o terço, as crianças teriam visto uma luz brilhante; julgando ser um relâmpago, decidiram ir-se embora, mas, logo depois, outro clarão teria iluminado o espaço. Nessa altura, teriam visto, em cima de uma pequena azinheira (onde agora se encontra a Capelinha das Aparições), uma "Senhora mais brilhante que o sol".

Segundo os testemunhos recolhidos na época, a senhora disse às três crianças que era necessário rezar muito e que aprendessem a ler. Convidou-as a voltarem ao mesmo sítio no dia 13 dos próximos cinco meses. As três crianças assistiram a outras aparições no mesmo local em 13 de junho, 13 de julho e 13 de setembro. Em agosto, a aparição ocorreu no dia 19, no sítio dos Valinhos, a uns 500 metros do lugar de Aljustrel, porque as crianças tinham sido levadas para Vila Nova de Ourém pelo administrador do Concelho no dia 13 de agosto.


A famosa "Capelinha das Aparições" em Fátima (que marca o local exacto onde Nossa Senhora apareceu aos três pastorinhos).A 13 de outubro, estando presentes na Cova da Iria cerca de 50 mil pessoas, Nossa Senhora teria dito às crianças: "Eu sou a Senhora do Rosário" e teria pedido que fizessem ali uma capela em sua honra (que atualmente é a parte central do Santuário de Fátima). Muitos dos presentes afirmaram ter observado o chamado milagre do sol, prometido às três crianças em julho e setembro. Segundo os testemunhos recolhidos na época, o sol, assemelhando-se a um disco de prata fosca, podia fitar-se sem dificuldade e girava sobre si mesmo como uma roda de fogo, parecendo precipitar-se na terra. Tal fenómeno foi testemunhado por muitas pessoas, até mesmo distantes do lugar da aparição. O relato foi publicado na imprensa por vários jornalistas que ali se deslocaram e que foram testemunhas do fenómeno. Contudo, há testemunhos de pessoas que afirmaram nada ter visto, como é o caso do escritor António Sérgio, que esteve presente no local e testemunhou que nada se passara de extraordinário com o sol, e do militante católico Domingos Pinto Coelho, que escreveu na imprensa que não vira nada de sobrenatural. Entretanto, testemunhas da época disseram que o facto não aconteceu com o sol (este ficou do mesmo tamanho) mas sim que, no lugar onde Nossa Senhora apareceu para os pastores, deu-se uma luminosidade tão intensa que ninguém conseguiu ficar com os olhos abertos, ninguém conseguiu ver Nossa Senhora, apenas os três pastores.

Posteriormente, sendo Lúcia religiosa doroteia, Nossa Senhora ter-lhe-á aparecido novamente em Espanha (10 de Dezembro de 1925 e 15 de Fevereiro de 1926, no Convento de Pontevedra, e na noite de 13 para 14 de Junho de 1929, no Convento de Tuy), pedindo a devoção dos cinco primeiros sábados (rezar o terço, meditar nos mistérios do Rosário, confessar-se e receber a Sagrada Comunhão, em reparação dos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria) e a Consagração da Rússia ao mesmo Imaculado Coração.

Anos mais tarde, Lúcia contou ainda que, entre abril e outubro de 1916, teria já aparecido um anjo aos três pastorinhos, por três vezes, duas na Loca do Cabeço e outra junto ao poço do quintal da casa de Lúcia, convidando-os à oração e penitência, e afirmando ser o "Anjo de Portugal".

Este anjo teria ensinado aos pastorinhos duas orações, conhecidas por Orações do Anjo, que entraram na piedade popular e são utilizadas sobretudo na adoração eucarística.

ERVAS MISTICAS


Uma das teorias da herbologia mística é a teoria da semelhança, que diz que Deus estampou nas plantas, pistas que ajudariam o mago a saber quais as propriedades mágicas e medicinais de determinadas plantas.


Por exemplo, a noz (julgans regia) é um fruto semelhane a um cérebro. De acordo com a "lei da semelhança" esse alimento deveria fazer bem para o cérebro. As propriedades da noz que beneficiam o cérebro foram comprovadas cientificamente. Isso fortaleceu ainda mais a teoria da semelhança. Se você não tiver certeza das propriedades medicinais de uma planta, beneficie-se apenas das propriedades mágicas, sem ingerir o vegetal.



Na magia, as nozes podem ser usadas em oferendas para beneficiar a mente. As folhas da nogueira podem ser usadas em defumações para o mesmo fim.
Descrição: Artemisia é da família da erva conhecida como absinto. Ambas pertencem a família aster. A artemísia tem muitos nomes comuns como: artemija, flor de são joão e absinto selvagem.

É natural da Europa temperada, Ásia, norte da África, mas também está presente na América do Norte onde é uma erva invasiva.




INDICAÇÂO: Combate à anemia, cólicas, debilidade do estômago, epilepsia, gastrite, diarréias, hidropisias, menstruações deficientes, icterícia, nervosismo e reumatismo.




TAMBEM CHAMADA DE ERVA DO FOGO




USO MEDICINAL

A artemísia é a principal erva do aprelho uro-genital feminino. Previne doenças, regulariza o ciclo mentrual, alivia as cólicas.

Também é empregada apa anemia, nervosismo, gastrite, nevralgia.

É uma excelente diurética, e por isso ajuda muito no funcionamento e na limpeza constante dos rins.


Para prevenção e tratamento de problemas femininos, usa-se a artemísia, com a tanchagem e o sabugueiro.




USO ENERGÉTICO




Em grego artemísia significa integridade e boa saúde.

eEla é a erva da mulher, para recompor o EU feminino, para ajudar a mulher a se integrar muito mais no seu papel, com sua maternidade e sensibilidade. É otima para mulheres que precisam ser fortes, ou que não se assumem inteiramente, pois precisam fazer numa grande parte de sua vida, papel de homens. Essas mulheres tem normalmente problemas menstruais. Tambem é conhecida desde a antiguidade por ajudar nos partos. Seu nome provem da deusa Artemis, que é a protetora dos partos.

A artemísia deve ser usada por pessoas que constantemente precisam de uma limpeza energético profunda de toxunas físicas e energéticas.

Num almanaque médico astrológico de épocas renascentistas apareceu escrito por um autor desconhecido os segredos da artemísia: " Infunde alento, ânimo e força, a quem a trouxer consigo junto do coração. Essa erva bebida num copo de vinho branco, tira logo o cansaço do caminho. E tem outra rara virtude, que o caminhante que a trouxer, sentirá muito menos ao caminhar. Estas virtudes recebe essa erva de uma estrela que os astrólogos chamam Algol."







OUTROS USOS:

* Os emplastos de artemísia no plexo-solar, limpam, energizam e dão coragem.

* Os escalda pés de artemísia evitam doenças renais.

* Ramos de artemísia presos a portas da casa evitam a entrada de inveja e qualquer energia negativa.

* As vassouras feitas com artemísia protegem o ambiente e atraem espíritos benfazejos.

* Os banhos de imersão com chá forte de artemísia, facilitam o parto e ajudam os muito nervosos, neuróticos e histéricos.




AÇAFRÃO: purificação, saúde, felicidade



ACÁCIA: proteção, contra pesadelos e proteção do sono



AIPO: poderes mentais e psíquicos



ALECRIM: limpeza e concentração, calmante, adivinhação, estudos, cura, proteção, purificação



ALFAFA: prosperidade, dinheiro, felicidade



ALFAZEMA: calmante, estudos, purificação



ALHO: saúde, proteção



ALMÍSCAR: afrodisíaco, amor ;Planeta: Vênus



AMÊNDOAS: dinheiro, prosperidade, sabedoria



AMORA: saúde, dinheiro, proteção



ANETO: sorte



ANGÉLICA: proteção, purificação, saúde, clarividência



ANIS ESTRELADO: adivinhação, purificação, sorte



ARNICA: clarividência



ARROZ: fertilidade



ARRUDA: proteção, limpeza, cura; purificação



ASSA-FÉTIDA: exorcismo, proteção



BABOSA: proteção, sorte e amor



BAMBU: realização de desejos



BARBATIMÃO: espiritualidade, purificação



BARDANA: saúde, proteção



BAUNILHA: amor, sedução



BENJOIM: negócios, exorcismo; Planeta: Vênus



BOCA DE LEÃO: proteção



BRIÔNIA: dinheiro



CALÊNDULA: proteção, solução de problemas,



CAMÉLIA: prosperidade, riqueza



CAMOMILA: dinheiro, amor, purificação



CANELA: negócios, bens materiais, amor, limpeza, energizar;

sucesso, amor, proteção



CÂNFORA: desenvolvimento psíquico; clarividência, saúde



CARDAMOMO: sedução, amor



CARDO SANTO: cura



CARVALHO: fertilidade



CASCARA SAGRADA: problemas com a justiça, dinheiro e proteção



CAVALINHA: fertilidade



CEBOLA: proteção, saúde, dinheiro



CIPRESTE: longevidade, saúde



CRAVO: negócios, forças, energizar, amor, limpeza




ERVA CIDREIRA: sucesso, amor



ERVA DOCE: proteção



EUCALIPTO: limpeza, atrair encantos, energizar, cura, saúde, proteção



FIGUEIRA: clarividência, fertilidade



FLOR DE MAÇÃ: calmante



FREIXO: adivinhação, cura, proteção, prosperidade



GENGIBRE: dinheiro e sucesso



GERGELIM: dinheiro



GINSENG: amor, realização de desejos, beleza, saúde, proteção e

poder



GIRASSOL: fertilidade



HERA: (planta não eficaz para os homens) proteção, amor, saúde



HORTELÃ: cura



JASMIM: melhorar humor, amor; calmante, cura



LARANJA: amor, dinheiro



LAVANDA: cura, amor



LÓTUS: amor



LOURO: negócios, adivinhação, proteção, força, saúde



MANJERICÃO: amor, purificação espiritual, proteção



MANDRÁGORA: fertilidade



MADRESSILVA: dinheiro



MIL FOLHAS: exorcismo, amor



MIRRA: boa sorte, espiritualidade, meditação, cura; proteção



NARCISO: cura, sorte, fertilidade



NOZ MOSCADA: adivinhação, fertilidade



OLÍBANO: cura, purificação (resina chave)



OLIVEIRA: paz, fertilidade proteção



PATCHULI: clarividência; Planeta: Vênus



PINHO: atrair encantos, fertilidade



ROSA: amor, espiritualidade, adivinhação, fertilidade



SABUGUEIRO: purificação



SÁLVIA: cura, feitiços, longevidade, sabedoria, realização de

desejos



SÂNDALO: amor, adivinhação, purificação



SANGUE DE DRAGÃO: purificação



TRIGO: fartura, dinheiro, fertilidade,



URTIGA: exorcismo, proteção, saúde



VETIVER: comando; Planeta: Vênus



VERBENA: meditação, amor



VISGO: Proteção



VIOLETA: afrodisíaco, meditação, espiritualidade

TEMPEROS MAGICOS







Essas influências se manifestam em todas as formas de vida: nos animais, nas plantas, seres humanos e até nas pedras.

Como a cozinha trabalha muito com o reino vegetal, se fizermos uma salada verde, já sabemos que teremos como dominante a influência lunar, pois todas as folhas pertencem à lua.

A fase da lua e o signo do zodíaco em que a lua se encontra quando plantamos uma erva são extremamente importantes.

A maioria das ervas deve ser plantada na Lua nova ou na crescente, e no signo de câncer, peixes ou escorpião.

São excessões:

Alho: deve-se plantar durante a lua cheia ou crescente no signo de escorpião ou sagitário.

Salsa: plantar durante a lua nova no signo de peixes, câncer, libra ou escorpião.

Sálvia: plantar durante a lua cheia no signo de peixes, escorpião ou câncer.

Valeriana: plantar durante a lua nova ou crescente no signo de gêmeos ou virgem.

Correspondências dos astros com Legumes, Ervas, Frutas, Cereais e Verduras:

Sol: Angélica, açafrão, alecrim, canela, cardamomo, cevada, couve, cravo da índia, semente de girassol, laranja, louro, manjerona, palmito, salva, tomilho e trigo.

Lua: Abóbora, alface, aveia, beldroenga, berinjela, melancia, melão, semente de papoula, pepino e repolho.

Mercúrio: Acelga, anis, camomila, cenoura, chicória, endívia, ligústica e serralha.

Vênus: Agrião, amêndoa, coentro, couve flor, espinafre, limão, maçã, melissa, rosa e verbena.

Marte: Absinto, aipo, alcachofra, alho, alho porró, artemísia, aspargo, bardana, cebola, cebolinha, favas, hortelã, manjericão, mostarda, noz moscada, pimentas, rábano, ruibarbo, taioba e urtiga.

Júpiter: Ameixa, amora, beterraba, cereja, gergilim, marmelo, morango, rabanete e trigo sarraceno.

Saturno: Arruda, comilho, funcho e salsa.